Sobre livros

Você já verbou hoje?

0

Por Cristina Ustárroz*

“Anteontem futebolei bastante com uns amigos. Depois cigarrei um pouco e nos divertimos montanhando, até que o dia anoiteceu. Então desmontanhamos, nos amesamos, sopamos, arrozamos, bifamos, ensopadamos e cafezamos. Em seguida, varandamos. No dia seguinte, cavalamos muito.”

Trecho de Correspondência, Millôr Fernandes.

Isto que o Millôr fez, há pelo menos seis décadas, converter substantivos em verbos, chama-se verbing em inglês. Verbing não é coisa nova. Shakespeare e outros escritores já faziam essa conversão com alguma frequência. A novidade está no ritmo com que este fenômeno linguístico acontece nos dias de hoje, impulsionado pelo mundo digital e tecnológico, bem como pela natureza dinâmica da sociedade. Desde então, são muitos os substantivos usados também como verbos.


Já verbou hoje? [Foto de Ian cotta via Compfight cc]

Odiado por uns, amado por outros, este recurso é inegavelmente intrigante, principalmente porque a palavra convertida permanece inalterada na sua nova função. Quer ver? Você sabe que água em inglês é water, certo? Como você diria aguar as plantas? To put water on the plants? Credo! Que tal to water the plants? E como fica arejar o quarto? To air the room. Da mesma forma, pó é dust; tirar o pó é to dust.  Simples assim!

Ou nem tanto! No blog do Macmillan Dictionary, um post de Michael Rundell, com data de 02 de Junho de 2010 e intitulado English likes to verb (algo como A Língua Inglesa Gosta de Converter Substantivos em Verbos), apresenta esta manchete extraída do jornal The Times: Foot heads arms body. Aparentemente sem pé nem cabeça, nem braço nem corpo, o código aos poucos foi revelado: Foot é o nome de um político incumbido de chefiar (to head) um comitê (body) para criar uma política de desarmamento nuclear (arms). Matou a charada? Talvez o Calvin tenha razão: converter substantivos em verbos deixa a língua estranha.


[Fonte: Calvin e Hobbes.]

Mas o fato é que a língua inglesa se presta ao uso de verbing como poucas. Você duvida? Então observe a seguinte situação: um ciclista passa ao lado de carros estacionados quando, de repente, um motorista desavisado abre a porta, e o ciclista bate nela. Prometo que darei uma medalha se você conseguir dizer tudo isso usando apenas um verbo em inglês – unzinho! Ou, vá lá, dois! Pois está no Macmillan Dictionary:

door (verb) – if a cyclist gets doored, they crash into the door of a stationary vehicle that someone has carelessly opened.

É! Eu sei! Medalha não significa lá grandes coisas – a não ser que você seja atleta! Aproveitando a deixa, um outro post, desta vez sobre as olimpíadas de Londres, de Liz Potter, com data de 8 de Agosto de 2012, exibe o seguinte título: “They came, they medalled, they podiumed (Eles Vieram, Medalharam e Podiaram), numa alusão à máxima de Júlio César Veni, Vidi, Vici (Vim, Vi e Venci). Are you problemed? Então vamos desproblemar!

Texto em inglês é text: mandar uma mensagem de texto é to text. Pai ou mãe é parent: criar filhos é to parent. Amigo é friend: adicionar amigos ao Facebook é to friend, e caso você mude de ideia basta clicar em to defriend. Marcar como favorito é to favorite, esquentar comida/cozinhar no microondas é to microwave, dar sinal verde é to greenlight, e autorizar é to OK. Obviamente, nem todos esses verbos derivados de substantivos surgiram ontem. Alguns, porém, mesmo mais antigos, chamam atenção pela economia de palavras e praticidade. Para fazer reserva (em hotel, show, evento esportivo) você pode dizer to make a reservation ou simplesmente to book. Book? De livro? Exatamente! E, sendo verbos, podemos usá-los em qualquer tempo verbal – como bem disse o Calvin, they got verbed!  

Você sabe o significado da palavra man, não? Homem. Pois to man significa tripular – navio ou avião – e to man up significa tratar um menino como homem. Algo do tipo cresça e apareça! Escrever um livro é to author; mandar spam e email é to spam e to email, respectivamente. Você sabe dizer as partes do corpo em inglês? Vamos lá: eye quer dizer olho, to eye significa observar/olhar. Similarmente, ombro é shoulder, mas to shoulder significa carregar algo nos ombros. Estômago é stomach, mas to stomach significa aguentar. Você tem estômago para mais alguns exemplos?

A próxima é bem fácil: cabeça em inglês é head, e to head é liderar/encabeçar. Arm é braço, mas to arm significa armar-se/equipar-se; boca é mouth, mas to mouth quer dizer mover os lábios sem emitir som. Já to bad-mouth significa falar mal de alguém. Face é, bem, face, mas enfrentar é to face. Ainda, dedo é finger, e to finger significa apontar/identificar; dedão é thumb, masto thumb up significa apoiar. Afinal, qual é o ícone do botão curtir no Facebook? Pois é! Thumb me up!


Curtiu? Apoiado! [Foto via osmahoo via Compfight cc]

Nomes próprios não ficam de fora: enviar encomendas por Fedex é to fedex, procurar algo no Google é to google, e tirar cópias é to xerox. Mais do que nunca as pessoas estão iPodding, iPadding, iPhoning, blackberrying, bluetoothing, twittering, skyping, youtubeing e facebooking. E durante a campanha presidencial americana em 1852, o slogan do candidato do Partido Democrata Franklin Pierce era “We Polked you in ’44, we shall Pierce you in ‘52”, uma alusão ao ex-presidente James Knox Polk.

Em filmes e seriados de TV, frases como I think I’m going to beer and sandwich before I nap (acho que vou cervejar e sanduichar antes de cochilar), ou I think I’m gonna sofa here for a bit (acho que vou sofazar aqui um minutinho) já são populares. Are you completely bamboozled? Você ficou muito confuso? Desconfusemos!

Adjetivos também aceitam o desafio: clean significa limpo e to clean é limpar (I’m cleaning out my closet); dirty significa sujo e to dirty é sujar (the dog dirtied the bed). Do mesmo modo, preposições se rendem ao recurso: The company upped the prices (a empresa aumentou os preços), the helicopter was downed (o helicóptero veio abaixo/foi abatido), e a scandal that outed the president(um escândalo que expôs o presidente) são exemplos comuns. E o melhor de tudo, talvez, seja saber que todos esses verbos são regulares, isto é, terminam em –ed no passado. Então, você já verbou hoje?

Notas altamente esclarecedoras:

1. O texto Correspondência foi publicado em O Cruzeiro em 1946.

2. Vários verbos mencionados neste texto possuem vários outros significados. Usei apenas os significados mais pertinentes ou mais relevantes ao tema proposto.

3. To iPod significa escutar música no iPod, mas também virou sinônimo de monopolizar o mercado, já que o iPod não possui concorrente. Será que isso também vai acontecer com o iPad – will the iPad iPod the tablet market?

4. Aqui vão alguns dos meus verbos favoritos: wow (interjeição que usamos quando estamos impressionados) e to wow (ficar impressionado), boo (interjeição de vaia) e to boo (vaiar), word (palavra) e to word (formular/escolher as palavras), house (casa) e to house (sediar), chair (cadeira) e to chair (presidir, como em the chairman chairs the chair, digo, the meeting), trash (lixo) e to trash (criticar), RSVP (do francês répondez, s’il vous plait“) e to RSVP (favor confirmar presença), age (idade) e to age (envelhecer), summer (verão) e to summer (passar o verão em algum lugar). Vai mais um? To flashmob.

5. Se você acha que verbing é coisa de mulherzinha, leia os exemplos a seguir: someone has been knifed (alguém foi esfaqueado), speared (atingido por uma lança), gunned down (baleado/atingido por um bala), clubbed (espancado com taco/levou uma paulada). Your heart has been arrowed (seu coração levou uma flechada). Ah, peguei você!

6. Algumas fontes de referência recomendam o uso de letra maiúscula em verbos derivados de nomes próprios ou marcas registradas: to Google, to Facebook, to Skype, to Fedex. Outras orientam que esses novos verbos sigam o padrão de qualquer outro verbo em inglês e sejam escritos com letra minúscula, minha opção neste texto. Com relação aos nomes de produtos da Apple (iPhone, iPad, iPod e iTunes), optei por manter a grafia da marca, mesmo quando usados como verbos. Eu já disse que aqui a escolha é minha? 🙂

Cristina Ustárroz é a professora de inglês preferida dos colaboradores do Grupo A. Ela escreve mensalmente para o BlogA.

Cristina Ustárroz
A professora de inglês preferida dos colaboradores do Grupo A.

    You may also like

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.