Evasão

Como contornar a evasão em tempos de pandemia

1
Foto: Shutterstock

A evasão de alunos nunca deixa de ser uma ameaça ou uma preocupação no ensino superior. Durante a pandemia do novo coronavírus, ela ganhou um status ainda maior. Segundo o Semesp, a inadimplência em abril chegou a 25% e a evasão de alunos deve ser acima de 30% em 2020.

Além da crise econômica, decorrência das medidas de isolamento e distanciamento físico, a falta de engajamento pode levar ao abandono dos estudos.

A seguir, compartilhamos dicas para tentar impedir a evasão de alunos. Entre outros pontos, as instituições não devem levar o presencial para o online. Gustavo Hoffmann, especialista em educação, comenta sobre como colocar em prática estas ações para tentar reduzir a evasão no uso do EAD:

“Dá para fazer um EAD melhor que o presencial, minha pesquisa em Harvard mostrou exatamente isso, dá para fazer uma aprendizagem que o aluno aprende mais, fica mais satisfeito, se engaja mais e uma consequência disso é a menor evasão”, afirma Gustavo Hoffmann.

Veja algumas ações para melhorar seu EAD e buscar a redução da evasão de alunos:

Use a tecnologia como aliada

A tecnologia é uma aliada fundamental para evitar a evasão de alunos durante a pandemia. Isso passa por disponibilizar ferramentas online que facilitem o trabalho dos professores, com o objetivo de gerar conteúdo de qualidade.

Mas não basta ter qualidade se os materiais não forem acessados. É necessário fornecer o conteúdo em diferentes formatos, garantindo que todos os perfis de alunos sejam atendidos.

Quais formatos podem ser explorados:

  1. Gamificação
  2. Realidade aumentada
  3. Podcast
  4. Vídeos 360° 

Leia também:
:: Conteúdo EAD que foge do óbvio: veja dicas para sua IES implementar

Caso a instituição possua um ambiente virtual de aprendizagem (AVA), monitorar o acesso é o próximo passo na gestão da evasão. Nesse ponto, uma dica é criar estratégias de comunicação com quem não está dando prosseguimento às atividades acadêmicas.

Além do AVA, outros canais podem ser utilizados. Mensagens por telefone, e-mail e WhatsApp podem ser usadas como forma de verificar o que atrapalha o estudante. E, dessa maneira, ajudá-lo a voltar aos estudos.

Quando o acesso não acontece há 15 dias, por exemplo, pode ser enviada uma mensagem via WhatsApp. Passados 20 dias, talvez seja a hora uma ligação telefônica. Mas cada IES define o melhor momento para abordar alunos nessa situação.

Aposte em metodologias inovadoras

A crise provocada pelo novo coronavírus também pode ser vista pelas instituições como uma oportunidade para abandonar abordagens tradicionais e ultrapassadas de ensino e aprendizagem. É hora de apostar em metodologias ativas e inovadoras.

Nesse sentido, principalmente quando falamos de EAD, interação é a palavra-chave. Atualmente, há uma série de dispositivos e ferramentas que permitem aplicar metodologias ativas de aprendizagem na educação a distância.

Além disso, cuidado com conteúdos muito extensos. Promova atividades objetivas, deixe claro para os alunos quais são as motivações dessas atividades e busque exemplos para relacionar o conteúdo com o dia a dia deles.

Por fim, promova atividades síncronas entre professores e alunos. O contato em tempo real, mesmo que por ferramenta de webconferência, é fundamental para engajar a todos. Nesse momento, reforce a aplicabilidade dos conteúdos.

Não basta trazer o que é realizado no ambiente presencial para o digital. É necessário estruturar uma forma de ensino que englobe professor e aluno em tempo real, para que consigam desenvolver atividades com alto índice de engajamento. Metodologias ativas de aprendizagem em um ambiente 100% online, por exemplo.

É necessário tecnologia de ponta, conteúdo de qualidade, mas sobretudo uma metodologia personalizada para este formato. Estruture bem estas interações e formas de engajar o estudante.

Promova uma sensação de pertencimento

Quando o aluno passa por problemas durante seu percurso no ensino superior, a sensação de pertencimento a comunidade acadêmica o ajuda a finalizar seu curso. Mas essa sensação tende a ficar mais frágil durante o período de distanciamento social.

Leia também:
:: Como engajar a comunidade acadêmica durante a quarentena

As redes sociais funcionam para promover a sensação de pertencimento mesmo a distância. O foco, nesse caso, é manter uma presença marcante no Facebook e no Instagram, com publicações que promovam a interação e o compartilhamento de conteúdo.

Quero ajuda para fomentar o engajamento acadêmico na minha IES!

Não esqueça de criar layouts e hashtags próprios da instituição nas postagens. E utilize essas ferramentas para promover desafios – aquelas brincadeiras que estimulam os alunos a responderem o seu post e a desafiarem os colegas a fazerem o mesmo.

Para evitar a evasão de alunos em um momento difícil como esse, as redes sociais devem ser utilizadas para promover uma mensagem de união. Ou seja, a ideia é mostrar que a instituição não parou e que toda a comunidade acadêmica está no mesmo barco.

Leia também:
:: Como criar um projeto robusto de EAD no Ensino Superior
:: Como criar aula EAD acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva

Acesse a nossa Central Corona para IES:

Natália Collor
Natália é Jornalista e atua na Inteligência de Mercado do Grupo A

    You may also like

    1 Comment

    1. Muito bom o conteúdo!

      É importe inovar e saber fazer uso das tecnologias para oferecer um ensino online de qualidade e engajado. Evitando, assim, a evasão do aluno durante a pandemia.

      Parabéns!!!

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.