Captação

Ensino Superior no Nordeste: análise de mercado e perfil de alunos

0

A tomada de decisão baseada em dados é uma realidade no setor educacional. Hoje, as melhores práticas comerciais e pedagógicas são formatadas e adaptadas a partir da análise dos mercados disponíveis. Foi assim que realizamos um panorama sobre o mercado do Ensino Superior na região Sudeste do Brasil.

Desse vez, traremos informações sobre a segunda região com maior potencial no setor: o ensino superior no Nordeste.

Além de ajudar a desenhar estratégias para a captação de alunos, os dados abaixo apresentam um diagnóstico completo de um mercado em plena expansão.

A demanda de Ensino Superior no Nordeste

Em primeiro lugar, os nove estados do Nordeste – Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe . Eles têm, juntos, um mercado potencial de mais de 4 milhões de alunos. Na prática, são pessoas aptas a iniciar um curso de graduação. Elas têm ensino médio completo, ainda não fazem um curso superior e estão dentro da idade target (17 a 49 anos).

Em termos de potencial demanda, o ensino superior no Nordeste só perde para o Sudeste. O que revela a importância dessa região para as IES interessadas em expandir negócios. Segundo análise da Educa Insights, 72,6% dos nordestinos que pretendem fazer uma graduação superior tem o desejo de investir em um curso da modalidade EAD. Outros 14,7% pretendem cursar graduações híbridas. Dessa forma, conclui-se que 87% optam pela educação digital.

A demanda em alta pela EAD é um fator essencial na montagem do portfólio de cursos. A portaria 2.117/2019 também ajuda. A resolução permite ampliar de 20% para até 40% a carga horária cumprida a distância em todos os cursos presenciais. Investir em tecnologias educacionais, portanto, tornou-se indispensável.

Embora o Nordeste seja um mercado alvissareiro para as IES, cabe destacar que a propensão de gastos de sua população é menor quando comparada a de outras regiões como Sul e Sudeste. Por isso a estratégia de precificação deve ser bem planejada.

Cerca de 48% do mercado potencial no Nordeste está disposto a gastar até R$ 350 em mensalidades, enquanto 27% tem condições de arcar com até R$ 500 – ticket próximo ao EAD.

“É um mercado com forte ascensão do ensino híbrido e EAD, o que está relacionado aos tickets da região, que são muito mais compatíveis com os produtos digitais”, ressalta o gerente de contas do Grupo A no Nordeste, Rodrigo Hassen.

Comportamento da oferta

O último Censo da Educação Superior, divulgado pelo INEP, apresentou volumetria de mais de 1,2 milhão de estudantes ativos no setor privado do Nordeste. O EAD não para de crescer e já representa 32% das matrículas da região. Isso significa mais de 400 mil alunos matriculados na modalidade em 2019.

Tenha uma plataforma com todos os dados atualizados do Censo 2019 para traçar estratégias mais assertivas na sua IES

No mesmo ano, 49% dos ingressos no ensino superior do Nordeste vieram da EAD. A modalidade virtual cresceu 38,45% entre 2017 e 2019, enquanto a modalidade presencial recuou 2,28% no mesmo período.

Quais as áreas que mais atraem alunos para a educação a distância na região Nordeste? Negócios (34%), Educação (33%) e Saúde (14%), bem como Comunicação (8%), Engenharia (4%) e Tecnologia da Informação (4%).

Perfil dos alunos EAD

A captação de alunos passa por entender o mercado, mas também o perfil dos alunos dos nove estados do Nordeste. Em relação à idade, 45% deles estão acima dos 35 anos. Outros 45% têm entre 25 e 34 anos. Apenas 11% são jovens entre 17 e 24 anos.

Não surpreende, portanto, o fato de que sete em cada 10 alunos trabalham. A maior parte é oriunda do ensino médio em escolas públicas (82%) e está concentrada na classe econômica C (47%). Ainda sobre classe social, as camadas D e E também são bastante representativas no alunado da região, com 35% do total.

Essas informações indicam por que as IES podem apostar na flexibilidade da educação digital para captar alunos. Afinal, as graduações EAD e híbridas facilitam os estudos de quem trabalha. E possuem mensalidades mais baixas – o que é uma demanda do Nordeste – na comparação com as presenciais.

Outra informação relevante: como acontece no cenário nacional, o gênero feminino prevalece em volume de matrículas no Nordeste. Enquanto no país elas representam 65% do alunado EAD, no Nordeste elas são 62%. Ou seja, três a cada cinco são alunas na EAD.

A dica final, segundo os estudos da Educa Insights, é atentar para os fatores que pesam na decisão dos alunos da modalidade EAD. São dois atributos-chave: mensalidades acessíveis (21% da decisão) e flexibilidade de estudar quando e onde quiser (18%).

A recuperação pós-pandemia

Por fim, para Hassen, do Grupo A, a pandemia do novo coronavírus evidenciou a importância do uso da tecnologia na educação para instituições que ainda resistiam à EAD. “O crescimento do EAD no nordeste, observado no Censo de 2019, deve ser ainda maior de 2020 em diante”, afirma.

A demanda de alunos do nordeste está entre as mais propensas a iniciar um curso de graduação após os primeiros impactos da pandemia. Segundo uma pesquisa da Educa Insights, 45% planejam entrar no ensino superior no início de 2021, além de 27% na metade do mesmo ano. No Brasil, essas porcentagens são, respectivamente, de 38% e 24%.

Natália Collor
Natália é Jornalista e atua na Inteligência de Mercado do Grupo A

    You may also like

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.