EAD

Designer instrucional: o que é e qual o impacto para o EAD

0
Designer instrucional trabalhando em novos conteúdos para o EAD.
Foto: Pexels

O designer instrucional (DI) tem um papel decisivo na produção de conteúdo de qualidade para a educação a distância (EAD). Afinal, estamos falando do profissional responsável por escolher e desenvolver os formatos mais adequados para transmitir o conteúdo e o conhecimento aos alunos.

Para entender melhor, pense o trabalho do designer instrucional como o de um escultor. Ele recebe o conteúdo bruto das disciplinas e utiliza uma série de ferramentas pedagógicas para refiná-lo e moldá-lo.

No fim, o resultado pode incluir não apenas textos como também vídeos, infográficos, podcasts, games (ou um conjunto destes), entre outros formatos.

O mais importante para o designer instrucional, no entanto, não é o formato. Em vez disso, é garantir que o conteúdo seja acessível a ponto de gerar engajamento entre os alunos.

Nesse sentido, devido às características da EAD – onde o aluno tem autonomia para trilhar seu caminho de aprendizagem –, a interatividade é fundamental.

Qual é o fluxo de trabalho do designer instrucional

O fluxo de trabalho do DI começa após receber do professor um esboço do conteúdo a ser produzido. É hora, então, de lapidá-lo. O primeiro passo envolve escolher o formato ideal.

No caso de um vídeo, por exemplo, o planejamento é feito em um storyboard, onde é indicado como os conceitos trazidos pelo professor no material bruto serão representados por meio de imagens. E, se for necessário, quais outras técnicas serão utilizadas.

Além do diálogo com o professor para entender o conteúdo e suas necessidades, o designer instrucional mantém, na outra ponta, contato direto com o designer gráfico.

O instrucional orienta o designer gráfico – responsável, nesse caso, pela execução da ideia – sobre quais sentidos didáticos precisam ser transmitidos no vídeo.

“Nesse processo, este profissional é incumbido de garantir as relações pedagógicas do conteúdo, a lógica e o sentido das informações”, explica a designer instrucional da Sagah, Adriana Ferreira Cardoso.

Cada área do conhecimento tem suas especificidades durante a produção de conteúdo EAD. Mas a construção de uma unidade de aprendizagem pode levar até sessenta dias para ficar pronta. Isso se levarmos em conta desde o trabalho do professor conteudista, passado pelo designer instrucional, até a revisão final.

As competências e habilidades do designer instrucional

Para trabalhar como designer instrucional, é preciso ter um perfil multifacetado, com habilidades em diversas áreas. É necessário, por exemplo, exímio domínio da Língua Portuguesa para construir e revisar textos com desenvoltura. Já os conhecimentos em pedagogia ajudam na construção das trilhas de aprendizagem.

Familiaridade com novas tecnologias também é relevante. Ao produzir conteúdo para a EAD, é necessário unir objetivos pedagógicos às características do mundo digital. E, como se sabe, novas tecnologias educacionais e metodologias surgem com frequência. O uso de realidade aumentada e virtual no ensino e na aprendizagem é um bom exemplo dessa evolução.

“A inovação está o tempo todo presente. Isso possibilita que o designer instrucional explore  diferentes objetos de aprendizagem e, consequentemente, o desafia a ser mais criativo e a se qualificar cada vez mais”, conta Cardoso, que é designer instrucional da Sagah há quatro anos.

Vale destacar, por fim, as habilidades socioemocionais, como a capacidade de comunicação. Isso porque o dia a dia do designer instrucional é colaborativo. Exigindo um diálogo constante e fluido com os professores, designers gráficos e revisores de conteúdo.

Baixe o eBook: Como fazer um EAD de verdade

Natália Collor
Natália é Jornalista e atua na Inteligência de Mercado do Grupo A

    You may also like

    Comments

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.