Sobre livros

O livro-escultura de Tomoko Takeda

0

Que a literatura é uma das mais ricas expressões artísticas, ninguém discute. Mas o objeto da literatura, nosso adorado livro, pode ainda trazer diversas outras manifestações de arte. Essa semana tornou-se mundialmente conhecido o trabalho da japonesa Tomoko Takeda. A designer faz esculturas de cair o queixo usando livros como suporte, e seus recortes se baseiam na história que as páginas contavam.


O aventureiro Júlio Verne escreveu “Dois anos de férias”, aqui reinterpretados pela japonesa
[FONTE de todas as imagens: Distractify


A obra “O diário de Anne Franke” ganha aqui sua pena em papel


Como não reconhecer a pequena “Alice no País das Maravilhas”?

A série belamente fotografada se chama Fragmentos de História (ou ものがたりの断片, em japonês). Suas obras escolhidas são, via de regra, grandes trabalhos da história da Literatura, que se transformam em novas obras de arte pelas mãos precisas e delicadas de Tomoko. Ela trabalha na Dentsu, uma das maiores agências de publicidade do mundo, mas ainda encontra tempo para “cavocar” os livros e criar uma imagem física das histórias.


Releitura de “Flores para Algernon”, a ficção científica de Daniel Keyes


Uma mais que detalhista “Viagem Noturna no Trem da Via Láctea”, de Miyazawa Kenji


O lado físico de “Coração”, do japonês Natsume Soseki

As esculturas sempre se relacionam com o enredo, e Tomoko afirma que seu objetivo é passar os livros da categoria “bom de ler” para a categoria “bom de olhar”. Sem dúvida, ela teve sucesso na empreitada. Utilizando as texturas proporcionadas por diversas camadas de papel, a artista cria uma gama de detalhes e profundidades que hipnotizam o olhar. 


O universo de “O Pequeno Príncipe”, uma imagem icônica agora em camadas


Também de Natsume Soseki, essa obra nasce de “Eu sou um gato”


Retrato vivo de “A teia de aranha”, de Ryūnosuke Akutagawa

Você pode acompanhar o trabalho de Tomoko por seu Tumblr, e conferir outras obras dela no Behance, como, por exemplo, o “Livro mãe”, que, em quarenta páginas, acompanha as quarenta semanas da gestação humana. O livro se transforma no ritmo do corpo da mulher, ganhando barriga e contornos próprios. É o livro-objeto em seu ápice, ganhando vida própria e elevando-se a outro status artístico que conecta escultura e literatura. Um viva a Tomoko Takeda!


Um livro “grávido” de 28 semanas

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.