Sobre o BlogA
Comprar
Livro

Sem categoria

Leia & Assista: As luzes das cidades - o cinema e a arquitetura

Quem disse que o melhor parceiro para um filme é a pipoca? Aqui no BlogA, a gente acredita que cinema combina mesmo é com livro. Toda sexta-feira, publicamos uma dica de cinema e outra de leitura para você aproveitar o final de semana.

Todo cinéfilo sabe bem que muitas vezes o cenário é o elemento mais marcante do filme. Quem consegue pensar em Almodóvar sem se lembrar do clima kitsch em que estão ambientadas suas tramas? E como esquecer a arquitetura de Gotham City quando pensamos no Homem Morcego?

Nesta sexta-feira o BlogA selecionou dois dos cenários mais marcantes do cinema – afinal, nem só de personagens vive a sétima arte! Ambos têm inspiração futurista, portanto, aperte os cintos, pois a viagem atravessará as barreiras do tempo e do espaço! Preparado?

1. Metrópolis:

Cartaz do Filme – Fonte: Divulgação.

Os filmes futuristas são campeões em nos presentear com cenários marcantes. Em 1927, quando os efeitos especiais ainda eram precários, o diretor Fritz Lang já era um mestre na arte de criar ambientes que falassem por si sós. Em Metrópolis, ele faz uma projeção de como seria o mundo em 2026, com uma realidade urbana e caótica.

Famoso por representar o expressionismo alemão, o longa foi a produção europeia mais cara de sua época!

Ambientado no século XXI, quando os trabalhadores são escravizados pelas máquinas (qualquer semelhança é mera coincidência), a cidade de Metrópolis é governada por um poderoso empresário. A obra questiona a mecanização da vida nos grandes centros urbanos – será que o sentimento das pessoas ainda é importante?

As cenas de maior expressão visual ficam por conta das panorâmicas da cidade com seus veículos voadores e passagens suspensas. Fonte: http://www.archdaily.com.br

2. BladeRunner:

Cartaz do filme – Fonte: divulgação

Será que algum dia a criatura vai mesmo se virar contra o criador? Se depender de alguns diretores de cinema, essa pergunta já tem resposta: sim! Ridley Scott é um desses, e deu uma mostra de suas previsões para o futuro da humanidade em BladeRunner – e, de quebra, criou um dos maiores clássicos do cinema dos anos 1980.

O longa é baseado no livro homônimo de Philip K. Dick e estreou nos EUA em junho de 1982. Ah, e esse foi o primeiro filme da história a discutir o aquecimento global!

A trama se passa em Los Angeles, no ano de 2019. A cidade superpopulosa, repleta de arranha-céus decadentes e corroídos pela chuva ácida, é o palco da saga vivida pelo detetive interpretado por Harrison Ford, o BladeRunner do título, que precisa destruir androides.

O que mais chama a atenção do espectador é o visual que carrega uma mistura entre futurista e retrô, que traz muito dos filmes noir da década de 1950. Não à toa, foi indicado para o Oscar nas categorias “Melhor Direção de Arte” e “Efeitos Visuais”.

Cena do filme BladeRunner – Fonte: http://www.archdaily.com.br

Quem curte essa fusão entre passado e futuro e também acha que as edificações constroem o retrato de uma época, pode conferir mais sobre o tema no nosso catálogo de livros de Arquitetura, em obras como Desenho Urbano, Análise da Arquitetura e As + Importantes Edificações Contemporâneas, todos da Bookman Editora.

Quer receber todo mês as novidades do Grupo A direto no seu e-mail?




Enviando...

Email Inválido