Sobre o BlogA
Comprar
Livro

Inspiração da semana

Dançando os males para longe

A dança é uma das formas de expressão mais antigas da humanidade. Já dançamos para a natureza, pedindo comida e bons ventos, já dançamos pela chuva e até em rituais sagrados, nos quais dançávamos para os deuses. Na Idade Média, a dança, como quase toda a prática que utilizasse o corpo como instrumento, foi banida. Após, no Renascimento, voltamos a bailar, cada vez com mais classe e técnica. Atualmente, a dança pode ser diversão, sedução ou até mesmo libertação. Nossa inspiração hoje traz esses movimentos ritmados que trazem tanto da natureza humana e que são capazes de expressar tantos sentimentos. Dance! E dance como se ninguém estivesse olhando. 😉

#1 Bailando na cidade

A série Dance (Dança),  do fotógrafo norte-americano Cole Barash traz algumas de suas características mais marcantes: o equilíbrio entre paixão e precisão e a intensidade das imagens. O instante congelado é estático, mas ao observar as imagens, não temos dúvida: a modelo está dançando. E com gosto!


O contraste entre a leveza e o movimento da dançarina. 
[FONTE: Cole Barash]


Na dança, o corpo é etéreo.
[FONTE: Cole Barash]


A janela dos contrastes. 
[FONTE: Cole Barash]

#2 O corpo e o pó

Dust and Dance (Poeira e Dança) é uma interessante série de imagens propostas por Thomas David. Nela, o fotógrafo dá um banho de talco em dançarinos antes de fotografá-los em sua performance. Dessa forma, o pó torna-se uma extensão do bailarino, dando prosseguimento aos movimentos executados por seu corpo. No making of, o trabalho parece muito simples, mas transformar um pequeno instante em uma bela fotografia exige muita técnica e a busca da exposição perfeita


Um pequeno gesto, uma grande foto. 
[FONTE: Thomas David]


Pó, cabelos e corpo na composição da imagem fazem com que ela quase se mova diante de nossos olhos.
[FONTE: Thomas David]


Efeitos especiais? Dispensamos. 
[FONTE: Thomas David]

#3 O corpo líquido

Famoso por suas esculturas com água, o fotógrafo japonês Shinichi Maruyama resolveu liquefazer o corpo humano em sua série sobre dança. Nude (Nu) traz a composição de imagens de dançarinos fotografados durante sua performance, criando belos desenhos feito por seus corpos. Para chegar a esse resultado Maruyama utilizou cerca de 10.000 cliques, em sequencias de 2 mil por segundo, na composição de cada fotografia. Da união entre tecnologia e técnica fotográfica temos um conjunto de imagens de tirar o fôlego. 


O mais interessante é que quase conseguimos visualizar a coreografia que originou a imagem.
[FONTE: Shinichi Maruyama]


Alguém mais enxerga dois bailarinos nessa foto?
[FONTE: Shinichi Maruyama]


Com tantos rodopios, confessamos que ficamos cansados só de olhar. 
[FONTE: Shinichi Maruyama]

E aí? O leitor se animou a dar uma dançadinha para dar um up nessa segunda-feira? 

Quer receber todo mês as novidades do Grupo A direto no seu e-mail?




Enviando...

Email Inválido